sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

SEMED: Prefere fechar uma escola que funciona em prédio próprio do que quebrar os acordos políticos com prédios alugados!

É sem dúvida o fim! Como o Governo decide fechar uma escola que tem mais de 25 anos de história?! Como todos sabemos, há inúmeras escolas alugadas em Marabá, sendo que muitas nem deveriam funcionar devido a péssima qualidade de suas instalações e devido ao favorecimento político que tomou conta da educação. 
Nesse momento, as escolas estão sendo loteadas por políticos gulosos que exigem a manutenção das escolas alugadas e dos servidores temporários a qualquer custo, principalmente porque esse ano é ano de eleição. 
Contrário a essa ação equivocada, protocolamos uma representação no  Ministério Público Estadual denunciando mais esse descaso com a nossa Educação. 

Não ao fechamento da escola Magalhães Barata!

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

GOVERNO QUE NÃO VALORIZA A EDUCAÇÃO, NÃO MERECE REELEIÇÃO!

Desde o final do ano de 2015, os trabalhadores em educação pública da Rede Municipal de Marabá vem sofrendo ameaças de corte por parte do Prefeito João Salame (PROS-Marabá). Ao iniciar o ano de 2016, a Comissão Ampliada, SINTEPP e Vereadores, apresentou um relatório na câmara dos vereadores, no dia 26/01, descrevendo para o conjunto de trabalhadores presentes as irregularidades apontadas pela comissão, conforme toda documentação enviada pela SEMED, referente à folha de pagamento. O relatório parcial da comissão foi protocolado na SEMED e no Ministério Público com a reivindicação de que se faça as devidas correções na folha, como forma de reduzir os gastos equivocados com o FUNDEB.
A Secretaria de Educação de Marabá, respondeu o documento pedindo um prazo de 30 dias para adequação das irregularidades apontadas, bem como, questionou alguns pontos do relatório da comissão.
Nesse inicio de ano, a gestão enfrenta uma grave crise de gestão envolvendo principalmente a abertura de novas escolas em prédios alugados e turmas sendo fechadas em prédio próprio do município. Demonstrando um total descontrole sobre os gastos e as receitas referentes à Educação, no entanto o servidor deve ficar tranquilo, pois é garantida sua lotação no município e isso é obrigação da SEMED cumprir o seu papel e o SINTEPP não aceitará de forma alguma redução de carga horária de servidor concursado.
No dia, 01/02 ocorreu assembleia geral dos trabalhadores em educação de Marabá, na Sede Campestre com a participação de mais de 700 servidores, que deliberou e aprovou GREVE GERAL a partir do dia 11/02, como forma de não permitir nenhuma redução de direitos e garantir a hora-atividade. Entre os demais pontos, foi aprovado o Calendário de Lutas da Educação: 1- Plano de Carreira Unificado, com carreira e valorização para todos os Funcionário de escola, incluído nossos servidores de apoio; 2- Garantia da Carreira (promoção vertical e horizontal de todos os profissionais do magistério); 3- Garantia de todas as promoções protocoladas, bem como o pagamento dos retroativos gerados em 2015 e 2016; 4- Reformulação do PCCRPE, assegurando a valorização e reconhecimento do Coordenador Pedagógico e Orientador (garantindo aos mesmos suas devidas gratificações); 5- Garantir o enquadramento e retroativo dos Auxiliares de Secretaria; 3- Reajuste do Visa Vale; 4- Concurso Público;5- Dobra-turno 70%;6- Climatização das Salas de aulas; 7- Construção e Reforma das Escolas, usando os Royalties; 8- Reajuste do Piso e Retroativo; 9- Garantia da Hora-atividade integral, conforme Lei 11.738/08; 10- Conselho Administrativo ( garantindo a continuidade dos trabalhos de fiscalização da folha de pagamento); 11- Eleição Direta para Conselho Municipal de Educação – CME, Conselho da Merenda, Conselho do FUNDEB e IPASEMAR.

GOVERNO QUE NÃO VALORIZA A EDUCAÇÃO, NÃO MERECE REELEIÇÃO!

COORDENAÇÃO DA SUBSEDE DE MARABÁ

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Assembleia Geral: A categoria é quem decide!


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

CÂMARA MUNICIPAL LOTADA ASSEMBLEIA SUPER TENSA


Mais uma vez os trabalhadores em educação protagonizaram na Câmara Municipal de Marabá, local escolhido para realização de mais uma assembleia decisiva na rodada de negociação com o governo municipal, hoje 26/01/16. Desde dezembro passado, quando o prefeito decidiu chutar o "pau da barraca" e declarar suas intenções de mexer no plano de carreira da educação, como forma de "ajustar" as contas que essa categoria tem estado que nem marimbondo espantado. 

"O professor é meu amigo, mexeu com ele mexeu comigo!", Esse foi um dos gritos de guerra ouvidos nas ruas de nossa cidade relicária. "O Sintepp somos nós, nossa força nossa voz!", é outro bordão preferido que parece unir setores historicamente separados dentro da educação. É uma multidão, pessoas que sempre estiveram na luta, pessoas que nunca participaram de uma greve, além daqueles que sempre estiveram atrelados a um governo. Todos unidos com o firme propósito de não deixar que se concretize o plano de corte do governo municipal. 
É notório e cabe destaque a presença sempre marcante de três ex-secretários municipais de educação no movimento: professora Kátia Américo, professor Disney e professor Nerls; agora do lado de cá da luta. É bom lembrar que o Plano de Carreira, ora questionado pelo prefeito João Salame, construiu-se nos mandatos desses três ex-secretários. Não que sejam eles os pais da cria, essa paternidade se deve aos que sempre estiveram na luta juntos com o sindicato, e bem sabemos: governo é governo, categoria é categoria. 
A decisão da categoria na assembleia foi de retornar para escola e cumprir essa semana de planejamento. Dia primeiro será feita nova assembleia para avaliar o fechamento das negociações com o governo. A categoria promete brecar o início do ano letivo, caso se mantenha essa verdadeira tortura psicológica que se instaurou no nosso município contra os trabalhadores da educação. Por isso, te prepara, João!

 














Ex- secretária Kátia Américo também sente o "nó na garganta"

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

CATEGORIA COMPARECE EM PESO PARA ACOMPANHAR A COLETIVA DE IMPRENSA DO ADVOGADO DO SINTEPP

 
A categoria dos trabalhadores em educação de Marabá lotam a Travessa 7 de Julho para acompanhar a coletiva de imprensa, na qual o advogado do Sintepp da Estadual de Belém, dr. Valmir Brezaz, esclareceu a toda a comunidade marabaense sobre a situação que hora acontece em nosso município.
A coletiva aconteceu às 16 horas, na sala de reunião da subsede e foi acompanhada pelos professores que se avolumavam em frente à subsede através de um carro de som. 
Em sua fala, Brelaz deixou claro que não há juridicamente nada que justifique a fala do prefeito de Marabá, através de seu advogado, para retirada de direito. "Só existe um cargo único, o de professor, o que acontece é uma mudança de nível dentro do mesmo cargo", esclareceu Brelaz. O advogado mostrou ainda espanto pelo fato da prefeitura se basear em uma Súmula Vinculante que garante ao servidor o que hoje é assegurado pelo plano de carreira. "Não estamos aqui para brigar com a prefeitura, mas para mostrar juridicamente que não há nenhum amparo legal para aquilo que a prefeitura intenciona fazer"
Questionado pela imprensa sobre o ano letivo marcado para iniciar no próximo dia 18/01, Wendel Bezerra, coordenador geral da subsede de Marabá, reafirmou que nesse dia a categoria fará uma grande caminhada pela educação. Se houver algum avanço a categoria será informada. Wendel reforçou ainda que não há nenhum clima para  início do ano letivo 2016 enquanto perdurar esse clima de insegurança jurídica. Cabe lembrar que até o momento os trabalhadores em educação ainda não receberam o salário de dezembro. 
Em seguida foi realizada uma assembleia onde os representantes sindicais da Estadual, Regionais e demais subsedes presentes puderam se posicionar. 
Não vamos abrir mão da luta! Nenhum direito a menos!