sexta-feira, 28 de março de 2014

Mestrado FACNORTE!

PROFESSORA ANA DÉLICE ESCLARECE SOBRE MESTRADO SUPOSTAMENTE FALSO EM MARABÁ
Diante de tantos telefonemas,emails e WhatsaApp de colegas para tirar dúvidas referente a uma nova  divulgação que a faculdade  FACNORTE está fazendo em marabá, sinto me na obrigação de esclarecer que não sou eu a responsável pela tal divulgação pois a um ano quando trouxe essa proposta de MESTRADO DA FACNORTE à Marabá consegui realizar 368 matriculas e diante de tanta responsabilidade resolvi consultar pessoalmente o MEC e através do Sr. Pedro Leitão, Chefe do setor de fiscalização do MEC constatei que a faculdade acima citada não tem autorização para ministrar cursos de strícto sensu fora de sua sede, localizada no Paraná e em seguida ordenei que minha equipe reunisse todos os inscritos e devolvesse seus investimentos (valor da matricula) e documentação dos mesmos.
 Esse ano de 2014 nem um mestrado brasileiro em educação foi aprovado fora da sede de sua universidade para ser ministrado no Pará.
  COLEGAS NÃO SE DEIXE ENGANAR COM OFERTAS FÁCEIS DE MESTRADO. STRÍCTO SENSU É UM CURSO DE ALTO ESCALÃO E NÃO UM COMÉRCIO COMO MUITOS ESTÃO FAZENDO EM NOSSO ESTADO. ANTES DE REALIZAR SUA INSCRIÇÃO NESSES CURSOS SUPOSTAMENTE  FÁCEIS,CONSULTE O MEC,MAIS BARATO FICA INVESTIR R$ 10 EM LIGAÇÕES DO QUE INVESTIR R$ 10.000,00 EM UM CURSO FRIO. MUITA GENTE DE OUTROS ESTADOS ESTÃO APLICANDO GOLPE NO PARÁ USANDO NOMES DE VÁRIAS UNIVERSIDADES,NA SOMBRA DE MEU TRABALHO COMO COORDENADORA DE STRÍCTO SENSU INTERNACIONAL QUE JÁ COMPLETA 6 ANOS DE COMPROMISSO. ESSAS PESSOAS NÃO SÃO DAQUI,NÃO TEM NENHUM COMPROMISSO COM NOSSA SOCIEDADE,USA UMA PESSOA NOSSA PARA SE REALIZAREM COMERCIALMENTE. DESCONHEÇO UM CURSO DE MESTRADO BRASILEIRO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO, ESSE É UM CURSO OFERTADO PELAS UNIVERSIDADES DO PARAGUAY E ARGENTINA.


EM ANEXO SEGUE O PANFLETO QUE UTILIZEI QUANDO DIVULGAVA ESSE SUPOSTO  MESTRADO  DA FACNORTE.

Obrigada,

Profª Ana Delice

7 comentários:

Anônimo disse...

existem cursos de mestrado sim e autorizados pelo MEC,quem estuda ou
trabalha com educacao precisa sempre
continuar estudando e pesquisando
antes de fazer afirmacoes que podem
compreter a propia pessoa.
nao sei qual seu interesse em transmitir tais informacoes ,nao tenha receio o povo brasileiro precisa estudar nao importa onde estejam e nao podem ficar na mao de gente que pensa que e dono de
algum local ou estado o tempo do
coronelismo ja passou,estude tambem
e aprenda alguma coisa

Anônimo disse...

Se você tem mais de cinco anos que trabalha com mestrado internacional e porque maraba tem poucos mestre na area da educação? reflita você que é professor

Mestres Sapiens disse...

http://www.prrn.mpf.mp.br/grupo-asscom/noticias-internet/instituicao-mantem-curso-de-mestrado-irregular-em-parnamirim

MPF instaurou procedimento para acompanhar a questão



O Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte (MPF/RN) vem cobrando do Ministério da Educação a adoção de providências quanto ao funcionamento de cursos de mestrado oferecidos pela Faculdade de Ciências Humanas da Paraíba – Sapiens - em Parnamirim e possivelmente em outros municípios potiguares. Tais cursos não possuem a recomendação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Capes, que é exigida pela legislação brasileira.



Durante as investigações do MPF, a Sapiens alegou trabalhar “como instituição parceira da Faculdade do Norte do Paraná – Facnorte”, porém informações prestadas pela Capes indicam que “ainda não existem cursos de pós-gradução stricto sensu da Sapiens ou da Facnorte” recomendadas pela coordenação, nem reconhecidas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE).



Os cursos stricto sensu incluem mestrados e doutorados e, segundo a Capes, as duas instituições de ensino ingressaram com 12 pedidos de análise em 2013 (dez de mestrados e dois de doutorados), sendo que todos tiveram o mesmo resultado: “não recomendados”. Para funcionamento de qualquer curso do tipo, é necessária a recomendação, sem a qual o diploma expedido não possui validade, e essa recomendação ainda tem de passar pela análise do CNE.



Contrato suspenso - A Sapiens possui sede em Campina Grande, na Paraíba, e assegurou que através da parceria caberia à Facnorte o “processo de habilitação, para efeito de registro e de emissão dos referidos diplomas”. A faculdade paranaense, por sua vez, declarou que a Sapiens vinha descumprindo itens da parceria e, em decorrência disso, o convênio foi suspenso em novembro de 2013, data a partir da qual a instituição paraibana estaria impedida de “operar qualquer ato em noma da Facnorte”.



Em fevereiro deste ano, a Faculdade do Norte do Paraná garantiu ao MPF que seus alunos teriam conhecimento que os certificados de conclusão de seus cursos stricto sensu só terão validade após a recomendação da Capes. O Ministério Público Federal vem analisando se essa informação foi repassada a todos os alunos matriculados.



Medidas - Um inquérito civil aberto pela procuradora regional dos Direitos do Cidadão, Caroline Maciel, acompanhará o caso. Em janeiro e abril deste ano, a procuradora da República Ilia Fernandes já havia remetido ofícios à Capes e ao Conselho Nacional de Educação solicitando a adoção de medidas.





O pedido, de acordo com o CNE, foi repassado à Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres), do Ministério da Educação, para que adote “as providências necessárias para impedir que a Facnorte prossiga com a oferta de cursos irregulares”. Um novo ofício foi enviado esta semana, desta vez pela procuradora Caroline Maciel, com pedido de informações sobre as medidas que estão sendo tomadas pela Seres.

Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República no RN
Fones: (84) 3232-3960 / 9119-9675

Anônimo disse...

Até onde entendi o fato de a instituição ainda não ter a avaliação da capes não significa que o curso seja falso, como afirma a senhora acima, e outro detalhe importante é, os alunos devem estar cientes desde a matrícula que a instituição está passando por esse processo, ou seja, ele está de acordo em caso concluir o curso ainda não tenha sido solucionado essa questão ele deve aguardar, dentro desse contexto só posso pensar uma coisa. É muita gente querendo interferir no trabalho dos outro. Afinal ninguém quer perder espaço no mercado ai fazem isso, publicam essas coisas com o intuito de causar perdas a empresa e impedir as pessoas que procuram esse tipo de serviço de desfrutar tal oportunidade.

Maria Audenora das Neves Silva Martins disse...

Todos os pedidos de recomendação dos mestrados da FACNORTE foram negados conforme documento do MPF/RN. Isso foi em 2013. De lá para cá não existe nenhum processo em ANDAMENTO.
Também é muito estranho não ter mestrado na sua sede que é no Paraná.
Se abrem turma fora da sua sede isso caracteriza EAD e não existe mestrado nessa modalidade no Brasil. Sugiro vocês pesquisarem e buscarem no MEC e CAPES as informações como eu fiz depois que a minha filha caiu nessa de fazer mestrado sem passar por todas as etapas. Não existe seriedade quando a forma de acesso é fácil: pagou matrícula e assiste aulas uma vez no mês e pronto. Devemos coibir empresas que vendem algo quando nunca as pessoas vão ter um título legal.

Unknown disse...

Alguém conhece quem recebeu uma titulação de mestre reconhecida pelo MEC, emitida pela facnorte ou por algum parceiro dela? Pois no meu pólo a facnorte afirma que a nosso titulação será enviada por outra faculdade parceira e que a mesma é reconhecida pelo MEC. Porém, até o momento, a facnorte não diz quem são as tais parceiras.

noispb disse...

Sérgio Costa

Entendo seu ponto de vista professora, temos que realmente correr atrás da verdade. Todo esses conceitos levantado por você eu também fiz...achei super estranho tamanha abrangência dessa Faculdade em tão pouco tempo. Creio que o erro maior do Jurací, diretor geral do projeto FACNORTE, foi querer crescer rápido de mais. Todavia continuei no curso de Mestrado em Educação e Multidisciplinaridade junto a FACNORT no município de Parnamirim/RN.
Eu me considerava o aluno que mais insistia com a turma para imprensar a coordenadora na busca por respostas sólidas no que se refere ao reconhecimento do curso. Era um defensor de jogar o caso na justiça, a cada mês observava amigos abandonando o curso alegando que não iam mais investir nesse sonho. Eu sinto muito por esses colegas, os mesmos perderam a chance ter a experiência do que é uma produção de dissertação, do que é uma qualificação frente a uma banca composta por apenas doutores e o grande momento da defesa, tudo isso foi glorificante!
Após terminar meu curso, vi que valeu muito todo o esforço, porque não teve nada fácil e muito menos aulas a distância (EaD) como levantado por vossa pessoa. Sempre tivermos ótimos professores selecionados a dedo, muito diferentes dos que se encontra nas Federais, em que muitos deles se valem da sua posição para colocar os mestrandos para digitar suas provas e também ministrar suas aulas. Sem falar na falta de responsabilidade e ética no processo seletivo. Disso sim eu tenho vergonha!
Quando alguém tenta levar ensino de qualidade para os quatro cantos do Brasil, tornar esse país mais culto, sempre vai se deparar com muitos atropelos, faz parte. Eu posso falar porque fui aluno do Mestrado e participei de todos os processos seletivos exigidos pelo MEC, terminei todo o processo em 2016.1. Se após o prazo determinado por lei eu não receber meu certificado reconhecido pelo MEC eu vou entrar na justiça contra a FACNORTE, porém cabe ressaltar que farei isso sabendo que O ERRADO NA HISTÓRIA É O MEC porque nós alunos, coordenação, juntamente com a direção geral da FACNORTE, fizemos tudo que foi exigido pelo MEC, cumprimos com tudo de maneira formidável e organizada. Não tem motivo algum para o não reconhecimento!
Se quiser testar é só fazer uma mesa composta por pessoas do MEC que eu defendo outra vez a dissertação e garanto que saio de lá aplaudido porque meu projeto de estudo é formidável e está em grande expansão na internet e redes sociais. Sou suspeito em falar da minha dissertação, entretanto, no meu ponto de vista ficou ótimo. Pode até vir a se mostrar melhor que grande parte dos Mestrados desenvolvidos nas Federais, os quais vão direto para gaveta após a obtenção do título, o que não ajuda em nada a nossa educação.

Confira uma parte do meu projeto de Mestrado:

https://www.youtube.com/channel/UCrz3knJKfOY4ffwLjn0nxsg